Agressividade e Violência

Todos nós nos sentimos zangados de vez em quando. É uma resposta natural quando nos sentimos atacados, insultados, enganados ou frustrados. Normalmente, quando isso acontece, expressamos a nossa zanga e seguimos em frente.

No entanto, a raiva que sentimos pode ser assustadora. Faz-nos ficar tensos e é difícil lidar com ela de modo construtivo. O nosso coração bate mais depressa, respiramos e reagimos mais rápido e nem sempre conseguimos pensar bem, às vezes reagimos de uma forma da qual nos arrependemos mais tarde: podemos gritar, chamar nomes, bater em alguém ou partir objectos.

Estar zangado não é um problema, mas a forma como lidamos com a zanga e a raiva pode ser. A zanga torna-se um problema quando nos leva a magoar os outros ou a nós próprios. Quando não expressamos a nossa raiva ou a expressamos de forma e em alturas desadequadas, podemos prejudicar-nos a nós e às nossas relações.

Às vezes, a nossa zanga não é com algo que tenha acontecido no presente, mas sim no passado. Nessa altura não fomos capazes ou não pudemos exprimir a nossa zanga e, por isso, ela acumulou- se dentro de nós. O problema é que no futuro nos podemos mostrar demasiado zangados ou agressivos com uma situação diferente, que não justifica a nossa agressividade.

Quando não conseguimos controlar e expressar a nossa raiva e a nossa zanga de forma segura, isso pode ser um sinal da existência de problemas de saúde psicológica. Pode levar à depressão, ansiedade, dificuldades em dormir, adições (ao álcool, drogas), perturbações alimentares, comportamentos compulsivos ou doenças físicas.

Quando sentimos que nos zangamos muito depressa e muito frequentemente, às vezes por “coisas pequenas”, e que não somos capazes de controlar a nossa raiva, devemos procurar ajuda. Um Psicólogo pode ajudar-nos a encontrar uma forma construtiva de gerir os nossos sentimentos agressivos.

Podemos observar manifestações de zanga e de raiva semelhantes nas crianças e nos adolescentes, seja contra os Pais, os amigos, a escola ou até mesmo eles próprios. A agressão pode ser física, verbal ou ambas. As crianças e adolescentes com comportamentos agressivos envolvem-se em lutas, têm dificuldade em respeitar a autoridade e em seguir instruções em casa ou na escola e usam o comportamento agressivo como forma de resolver os seus problemas ou expressar as suas emoções.

Os comportamentos agressivos têm um impacto negativo no desenvolvimento das crianças e adolescentes. Este tipo de comportamentos pode afectar a forma como aprendem e como interagem com os outros e está associado a resultados negativos: delinquência, consumo de substâncias ou dificuldades escolares e de adaptação à vida adulta. Os comportamentos agressivos podem também ser sinais de problemas de Saúde Psicológica na infância/adolescência.

Gerir o comportamento agressivo de uma criança ou adolescente é muito cansativo e pode ser frustrante para os Professores, até porque desperta sentimentos de agressividade em si próprios. Ajudar as crianças e adolescentes a encontrar e utilizar formas construtivas de expressar a agressividade exige paciência e esforço e deve ter como objectivo proteger e ajudar (em vez de castigar).

Como podem os Professores ajudar os alunos com comportamentos agressivos?

  • Elogiar os alunos quando têm comportamentos adequados. Nenhuma criança ou adolescente se “porta sempre mal” ou “é sempre agressivo”. Quando a criança ou adolescente se comporta de forma correcta deve ser elogiada pelo comportamento positivo. Tente também criar oportunidades que favoreçam esse tipo de comportamentos.
  • Responder imediatamente ao comportamento agressivo. Embora seja possível ignorar comportamentos minimamente desadequados, o comportamento agressivo nunca deve ser ignorado.
  • Permanecer calmo e modelar o comportamento. Todas as crianças aprendem por imitação. Modele um comportamento calmo e não agressivo, mostrando controlo sobre as suas próprias emoções. Mostre à criança/adolescente que existem formas adequadas de expressar emoções fortes e/ou negativas, assim como de resolver problemas.
  • Estabelecer as regras e as consequências. Ser claro sobre as regras, o que espera do comportamento da criança e adolescente e o que irá acontecer caso as expectativas não sejam cumpridas. Se alguma regra for violada, não avise, implemente imediatamente a consequência previamente estabelecida.
  • Ensinar estratégias de resolução de problemas. Quando uma criança bate no colega não se lhe deve perguntar “Porquê” (“porque é que bateste ao teu colega?