Níveis de Intervenção Psicológica

Este site pretende oferecer conteúdos dinâmicos e informados de acordo com as evidências científicas mais recentes, pelo que será regularmente atualizado.

  1. Intervenção psicológica junto da comunidade educativa – Estudantes, Profissionais, Utentes

Esta intervenção pode ser feita individualmente ou em grupo, e diz respeito, entre outros, a problemas de adaptação escolar ou profissional, a perturbações emocionais e do comportamento, a dificuldades de relacionamento interpessoal, a condições crónicas ou situações agudas que influenciam a saúde psicológica, a dificuldades de aprendizagem e/ou do funcionamento cognitivo, ou às transições escolares e/ou profissionais. Os profissionais de Psicologia da Educação estão atentos e são sensíveis à diversidade existente nos contextos educativos (nomeadamente de estudantes, formandos e utentes) designadamente no que respeita ao seu desenvolvimento e aprendizagem, às suas capacidades e fragilidades e às diferenças individuais e sociais (diversidade cultural, socioeconómica, étnica, linguística, de género, etc.). A intervenção psicológica junto de estudantes, formandos e utentes visa essencialmente:

a) O desenvolvimento de competências cognitivas e académicas/profissionais. Os Psicólogos da Educação podem contribuir para a melhoria do desempenho e resultados escolares e profissionais, potenciar a atenção e a concentração de estudantes, formandos e utentes, a sua capacidade de resolução de problemas e competências cognitivas, ajudando-os a tornarem-se progressivamente mais responsáveis pelo seu próprio desenvolvimento e aprendizagem (autorregulação e autonomia).

b) O desenvolvimento de competências sociais e de vida, do bem-estar e da saúde psicológica. Os Psicólogos da Educação são também responsáveis pela conceção e implementação de programas de promoção do bem-estar e da saúde psicológica. Sabendo-se que a saúde e o bem-estar são fundamentais para o sucesso e adaptação aos diferentes contextos de vida (escola, local de trabalho, família, instituição) (e vice-versa), é função dos profissionais de Psicologia da Educação o desenvolvimento de projetos que os promovam – projetos de desenvolvimento de competências socioemocionais, de educação sexual e relacional, de educação alimentar, de educação para a cidadania, etc. É, assim, função dos Psicólogos da Educação contribuir para que o contexto educativo seja um contexto promotor de competências de autonomia, responsabilidade, sentido crítico, resiliência e estratégias de coping, que possibilitem lidar com problemas ou dificuldades de cariz emocional, social ou de comportamento.

  1. Intervenção psicológica junto da comunidade educativa – Pais/Mães, Conjugues, Famílias

Os Psicólogos da Educação realizam intervenções com o objetivo de melhorar as relações familiares e sociais e a colaboração eficaz entre a família e docentes, estudantes, formadores, formandos, técnicos, utentes, promovendo a participação ativa das famílias na comunidade educativa. Ajudam as famílias a compreender a influência familiar no desenvolvimento, aprendizagem, saúde e bem-estar psicológico, bem como a importância da sua comunicação com os diferentes agentes educativos. Atuam em situações de necessidade de desenvolvimento de competências parentais ou relacionais (por exemplo, através da formação sobre gestão do comportamento e disciplina, métodos de estudo e compreensão das regras e procedimentos escolares, gestão doméstica e financeira, envelhecimento). Os Psicólogos da Educação podem ainda participar em reuniões entre a família e a instituição, no sentido de mediar e facilitar a comunicação e ajudar a resolver conflitos.

  1. Intervenção psicológica junto da comunidade educativa – Docentes, Formadores, Técnicos da Instituição e/ou outros Agentes Educativos

Integrados em equipas multidisciplinares, os Psicólogos da Educação prestam apoio e aconselhamento técnico a docentes, formadores e/ou técnicos da instituição no que diz respeito, por exemplo, à adaptação dos programas curriculares e/ou projetos educativos às características desenvolvimentais, psicossociais e de aprendizagem de estudantes ou utentes; à planificação e organização do contexto educativo; aos métodos de ensino-aprendizagem ou de promoção de outras competências; à aplicação de programas psicoeducativos. Têm um papel formativo e colaboram na formação psicopedagógica permanente dos Agentes Educativos, contribuindo para a atualização dos seus conhecimentos nas áreas desenvolvimentais, cognitivas, afetivas, comportamentais e psicossociais. Os Psicólogos da Educação podem também ajudar docentes e formadores e órgãos de gestão a criarem estratégias para lidar com os riscos psicossociais e fatores de stress decorrentes da sua atividade profissional, de modo a evitar situações de burnout, stress ocupacional, absentismo ou presentismo laboral.

  1. Intervenção psicológica junto da comunidade educativa – Ambiente Educativo

São objeto da intervenção dos Psicólogos da Educação a relação entre os objetivos educativos e o funcionamento das instituições, a melhoria das relações entre as diferentes estruturas das instituições ou a organização dos programas educativos. A este nível, os psicólogos educacionais podem, por exemplo, dar apoio técnico à elaboração e desenvolvimento de projetos educativos de inovação curricular, contribuir para abordagens alternativas à gestão dos diferentes ambientes e espaços educativos, colaborar na implementação de programas de inclusão ou de aplicação de novas tecnologias. Os Psicólogos da Educação podem ainda intervir em condições sociais adversas que ameacem o desenvolvimento saudável das comunidades educativas, como a violência, a delinquência ou o abuso de substâncias, promovendo, simultaneamente, a criação de ambientes de aprendizagem positivos, seguros e saudáveis.